O FUTURO DA HUMANIDADE

O Futuro da Humanidade oferece uma rara oportunidade de repensar a sociedade e o rumo de nossas vidas. Com mais de 1,5 milhão de livros vendidos no Brasil, Cury nos presenteia com uma saborosa ficção que ilustra os ensinamentos presentes em seus livros e se apóia na sua vasta experiência profissional.

O Futuro da Humanidade conta a trajetória de Marco Polo, um jovem estudante de medicina de espírito livre e aventureiro como o do navegador veneziano do século XIII, em quem seu pai se inspirou ao escolher seu nome. Ao entrar na faculdade cheio de sonhos e expectativas, Marco Polo se vê diante de uma realidade dura e fria: a falta de respeito e sensibilidade dos professores em relação aos pacientes com transtornos psíquicos, que são marginalizados e tratados como se não tivessem identidade. 

Indignado, o jovem desafia profissionais de renome internacional para provar que os pacientes com problemas psiquiátricos merecem mais atenção, respeito e dedicação – e menos remédios. Acreditando na força do diálogo e da psicologia, ele acaba causando uma verdadeira revolução nas mentes e nos corações das pessoas com quem convive. Uma história de esperança e de luta contra as injustiças, este livro é a saga de um desbravador de sonhos, de um poeta da vida, de um homem disposto a correr todos os riscos em nome daquilo que ama e acredita.

Compartilho algumas frase marcantes dos capítulos iniciais do livro

“O homem sem história é um livro sem letras.”

O homem sem historia.jpg


Não estou perguntando o que você faz, mas quem você é. O que está na sua essência, por trás da sua maquiagem social.Não estou perguntando o que você faz, mas quem você é. O que está na sua essência, por trás da sua maquiagem social.


Garotos perfumados, trajando belas roupas, vivendo na superfície da existência. Quem são vocês para estudar o poeta da vida? Retalhem seu corpo, mas jamais penetrarão em sua alma.


O tempo não existe, garoto. Amanhã a chama da vida pode ter se apagado!O tempo.jpg


Meu filho, os aventureiros realizam suas conquistas e as demais pessoas os aplaudem.saia sempre do lugar comum!Aplausos mataram mais profetas do que as perseguições”


Meu Deus, como os normais estão carentes. Como é fácil diverti-los. Até um palhaço de primeira viagem vira atração.


O seu alimento sacia minha fome, mas não compra minha liberdade!


Quem vende sua liberdade nunca foi digno dela.Desculpe -me pelas minhas segundas intenções.Desculpe-me pelas minhas


O Mundo em que você vive é um Teatro, as pessoas frequentemente representam.elas se observam o tempo todo esperando comportamento previsíveis.observam seus gestos, suas roupas, suas palavras a liberdade é uma utopia. A espontaneidade morreu.


Ambos viviam em mundos distintos? Mas foram aproximados pela linguagem universal da sensibilidade e da arte de pensar.A espontainidade.jpg


Ele é o melhor plantador de batatas desta cidade.


Nunca ninguém olhou para aqueles saltos, mas ela não desce deles.


Se você não brincar com a  ida ela brigara com você.Brinca com a vida


Os jornalistas são profissionais interessantes. São como bactérias que criticam o sistema, mas dependem dele para sobreviver.Os normais


Impunha suas ideia e não as expunha.


É de supor que o senhor tenha uns noventa bilhões de neurônios.


Grande cérebro! Nunca ninguém me chamou desse modo.


Nunca ouvi falar sobre um indigente inteligente, nunca ouvi falar sobre alguém assumir a culpa de outrem, nunca vi um estudante de medo uma mendigo! Isso é demais pra mim. Isso é coisa de gente maluca.                                                                      – Ou de gente que se ama – emendou o balconista.


Sentiu na pele que a justiça e forte para com os fracos e frágil para com os fortes.


Despedia-se da lua Como quem se despede de uma amiga.


A sociedade se tornará um mercado de tédio, sem poesia ou sensibilidade.


Em meu mundo, os mais fortes servem aos mais fracos. No seu os mais fracos os servem aos mais fortes. Qual é mais justo?


Antidepressivos tratam da dor da depressão, mas não curam o sentimento de culpa nem tratam a angústia da solidão.


Se tivesse sido simplesmente abracado, ouvido, amparado talvez  tivesse suportado seu caos.


A sua sociedade usa as pessoas e as descarta como objetos. Cuidado, meu jovem! Os aplausos não duram.


As lágrimas os aproximaram. Ambos não disseram nada. Choraram juntos cada um pela suas história. Nenhum dos dois precisou apresentar-se ou mostrar suas credenciais.


Eu o compreendi sem ouvir e ele me entendeu sem me escutar. Das lágrimas nasceu uma grande amizade.


Muitos dos que tem endereço certo passam pela existência sem nunca percorre as avenidas do próprio ser. São forasteiro para si mesmos. Por isso são incapazes de corrigir suas rotas e superar suas loucuras


Post criado 152

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Copyright © 2018 Trecho de um Livro. Desenvolvido por D2W